segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

It's The Animal Instinct in Me



Suddenly
something has happened to me
As I was having my cup of tea
Suddenly I was feeling depressed
I was utterly and totally stressed
Do you know you made me cry?
Do you know you made me die?

And the thing that gets to me
Is you'll never really see
And the thing that freaks me out
Is I'll always be in doubt

It is a lovely thing that we have
It is a lovely thing that we...
It is a lovely thing, the animal
The animal instinct

So take my hands and come with me
We will change reality
So take my hands and we will pray
They wont take you away
They will never make me cry, no
They will never make me die

And the thing that gets to me
Is you'll never really see
And the thing that freaks me out
Is I'll always be in doubt

The animal, the animal,
The animal instinct in me
Its the animal, the animal,
The animal instinct in me



Fui esta canção, na semana passada. E fui um medo... Um medo terrível da perda de algo muito valioso.
No fundo, sabemos que o medo não é mais do que um instinto natural, que nasce com todos os seres. E, falando em instinto, o meu diz-me também que me devo afastar das situações deste perigo, para não voltar a sentir tamanho medo. E é isso que vou fazer - ou, pelo menos, tentar. Difícil será consegui-lo!
Talvez, na maior parte das vezes, a causa do medo só exista na nossa cabeça, e eu acredito que estou perante mais uma dessas situações. É precisamente daí que advém a dificuldade... Pode parecer mais fácil apagar algo que só existe dentro de nós do que apagar uma realidade, mas isso é pura ilusão. Quem assim pensar - atrevo-me a dizer -, certamente nunca sentiu um verdadeiro medo. Evitar os fantasmas que me visitam à noite e que só eu sinto, sempre foi um dos maiores desafios que tenho enfrentado ao longo de toda a minha vida...






**************************
A Arte
Imagem: Night Visit, de Mark Ryden http://www.markryden.com/paintings/index.html
Letra de: Animal Instinct, The Cranberries



**************************
Para concluir, «It is a lovely thing that we have (...) So take my hands and come with me, we will change reality.» =)
Não serei esta música outra vez. Ou, pelo menos, assim o espero...