domingo, 29 de abril de 2012

Vícios

Vícios, no sentido em que os entendemos melhor. Os primeiros que nos vêm à cabeça quando pensamos nesta palavra. Aqueles que “toda a gente” tem, aqueles socialmente aceites.

Poucas coisas com as quais convivo diariamente chocam tanto com os meus princípios como estas. E magoa-me – magoa-me de morte – ver que as pessoas que mais amo não conseguem passar sem elas. Gente que, por regra, precisa de três cafés por dia para conseguir acordar, de um maço de tabaco para conseguir estar, de um barril de álcool para se conseguir divertir, de um charro para conseguir criar! Não falo de casos isolados em que, uma vez sem exemplo, alguém se socorre deste tipo de substâncias para libertar a mente e se divertir (algo que considero salutar, e algo em que eu própria não sou completamente inocente), pois vejo isso como ir a um parque de diversões um dia, e voltar para casa depois, contente com a experiência mas com a plena consciência de que a vida real não é assim e de que não faz sentido ir lá todos os dias. Não falo disto, falo de NECESSIDADE, falo de recorrência, de rotina, de dependência. 

Talvez se perguntem porque é que isto me incomoda tanto. E para responder a isto, o que não faltam são motivos por onde pegar, mas nem vou pelas questões mais básicas que estes problemas levantam, como as consequências para a saúde, ou o desperdício de dinheiro que, muitas vezes, nem é de quem o gasta, mas sim dos pais - o que, por si só, já deveria dar um bom peso na consciência -, pois são assuntos já muito batidos, e além disso nem são os que me incomodam mais. O que me fere mais é um pouco menos óbvio, é o rebaixamento que isto representa na dignidade de alguém. O que será esta necessidade se não uma auto-humilhação, a extrema cobardia, o boicotar das próprias capacidades do indivíduo, o não conseguir ser alguém por si mesmo? O que será isto se não a total falta de auto-confiança e auto-controlo? O que será isto, se não a extrema falta de brio?
É esta descrença no estado natural do ser humano que eu abomino. É esta suposta ascensão a um estado superior que eu vejo como uma descida ao nível mais baixo de degredo psicológico que pode haver. É isto a que eu chamo desonestidade intelectual e de carácter. É uma máscara, uma muleta, um artifício. Não é ser, é fingir. Não é ter, é usar. Não é viver, é entrar num estado induzido. 

Eu não quereria isto para a minha vida, eu teria vergonha de ser assim. No entanto, tal como tudo na vida, são opções; e as opções, cada um as toma para si. Longe de mim pedir a alguém que deixe de fazer o que quer que seja que o faça sentir bem, por mais que ame e me preocupe com essa pessoa. Tenho o dever de respeitar os outros e de não interferir nas suas escolhas, desde que estas não tenham efeitos que recaiam sobre mim. No entanto, não consigo deixar de me sentir revoltada e triste com aquilo que se passa à minha volta, não consigo deixar de sentir pena, nem consigo deixar de me sentir incomodada e preocupada, sobretudo quando vejo isto a acontecer a alguém que para mim é tudo.

Tenho a noção de que, com esta posição perante este tema, pertenço a uma minoria na minha geração. Tenho a noção de que, ao publicar uma opinião assim, alguém vai ter vontade de me apedrejar, de dizer que sou antiquada e ingénua. E estou consciente de que muitas pedras vão chover. Queria pedir, portanto, a quem tiver uma opinião contrária que não se limite a descarregar contra o que eu disse, mas que me ajude a compreender o seu lado. Agradecia imenso. Acreditem que isso iria melhorar bastante o meu dia-a-dia e me ajudaria a lidar melhor com algumas pessoas e situações.



E vocês, o que acham disto?



(Algumas respostas aqui.)

sábado, 7 de abril de 2012

Borbulhas

As borbulhinhas são um problema que nos afectam a todas, pelo menos uma ou outra vez (sobretudo naquele dia em que temos algo importante na agenda e não convinha nada que elas aparecessem!). Nestes casos pontuais em que surge uma borbulha, é urgente agir rapidamente sobre ela, com produtos específicos de cuidado localizado, que podem agir em três frentes: secando a borbulha, disfarçando a borbulha ou removendo a borbulha, podendo ainda usar os três tipos de produtos combinados.

Para secar a imperfeição, recomendo o uso de um roll-on/caneta/stick para imperfeições, como estes dois que aqui sugiro:

Roll-on Refrescante, da gama Garnier Pure, da Garnier. Acelera a secagem das imperfeições.


Cuidado invisível anti-imperfeições, da gama Clearskin, da Avon.


(Nota: neste caso, os produtos que eu testei foram descontinuados, e estes que aqui apresento são os que os vieram substituir. Os produtos correspondentes que eu testei foram este e este, respectivamente.)


Outra opção é usar um produto que seque e disfarce a borbulha, simultaneamente, como este stick com cor, que acaba por funcionar como um corrector:

Stick secante dissimulador anti-imperfeições, da gama Normaderm, da Vichy

Pessoalmente, não gosto muito dos sticks com cor, pois normalmente não existe grande possibilidade de escolha da tonalidade do pigmento, e corremos o risco de nos calhar um stick com uma cor que não tem nada a ver com o nosso tom de pele - e assim, em vez de disfarçar a borbulha, acaba por criar um novo foco de atenção, o que acaba por não ser muito vantajoso.


Estes produtos são, sem dúvida, uma boa ajuda, mas para mim, o rei da eficiência é o próximo que vos apresento: Senhoras e senhores, preparem-se para os milagres do patch. Os patches removem mesmo a borbulha a 100%, e para que tal aconteça basta colar um em cima da borbulha e aguardar umas horas - de preferência, uma noite. Quando retirares o patch ele vai trazer lá colado nada mais nada menos do que a tua borbulha! Ou seja, a típica ponta branca das borbulhas, resultante da inflamação, ficará colada no patch, e depois a borbulha seca num instante.

Patches anti-borbulhas da gama Pure Skin, da Essence.



Estes produtos são uma excelente ajuda no caso de borbulhas e imperfeições pontuais; no entanto, para casos mais graves de acne, recomendo um tratamento no dermatologista, com medicação apropriada.




__________________________________________________
A autora do blog não comenta nos seus posts produtos que não conhece. Todos os produtos apresentados nestas páginas foram, portanto, adquiridos e testados por mim.


Este post foi útil? Tens alguma opinião a partilhar? Deixa um comentário!

Contorno dos olhos

Além desta base de tratamento diário, por vezes é necessário aplicar tratamentos específicos localizados.

A primeira zona específica a ter em conta é a zona de contorno dos olhos, ou as chamadas olheiras, a que devemos dar um cuidado especial. Nesta zona, a pele é mais fina e mais transparente, ficando facilmente arroxeada e com diferente relevo, e o creme que usamos normalmente pode não ser o mais adequado para esta área com características tão específicas. A partir dos 20 anos, torna-se importante introduzir um creme de olhos para complementar a rotina diária do tratamento de rosto, para activar a circulação, reduzindo o arroxeado das olheiras e também ajudar a prevenir a formação de rugas. O creme utilizado nesta zona deve ser mais fino, mais especializado, e deve ser aplicado suavemente, com o dedo anelar, por ser aquele que tem menos força. Eis aquele que estou a usar:

Gel refrescante para o contorno dos olhos, da gama Natural Skincare, da Oriflame.

É um gel bastante refrescante, com efeito imediato. Contém camomila e vitamina E para ajudar a reduzir os círculos escuros de contorno dos olhos. Deve ser aplicado de manhã e à noite, e pode ser usado em todas as idades.
É portanto, uma excelente opção para uma mulher com idade e estilo de vida semelhante ao meu: casa dos 20, estudante, ainda sem rugas, mas com uma frequente sensação de cansaço nos olhos e contornos escurecidos, sobretudo devido às horas passadas em frente ao computador, horas de sono em falta e horas de estudo.



Outra sugestão:

Sérum de contorno de olhos da gama Skindividual, Oriflame.

Este é um produto também bastante interessante. Mais específico para mulheres acima dos 25 anos, ajuda a atenuar as primeiras rugas e sinais de envelhecimento no contorno dos olhos. Bastante fácil de aplicar, devido ao roll-on incorporado, deve aplicar-se também duas vezes por dia, sendo um produto bastante vantajoso para quem não tem muito tempo ou paciência para aplicar corrector de olheiras, pois o próprio sérum contém pigmentos reflectores de luz que tornam a pele mais luminosa instantaneamente. Funciona um pouco como um creme com cor, no entanto o efeito é muito muito ligeiro (não substitui realmente um corrector).





__________________________________________________

A autora do blog não comenta nos seus posts produtos que não conhece. Todos os produtos apresentados nestas páginas foram, portanto, adquiridos e testados por mim.


Este post foi útil? Tens alguma opinião a partilhar? Deixa um comentário!